EBD

O Ensino Bíblico Gravuras

CURSO BÍBLICO: FUNDAMENTOS DA FÉ CRISTÃ

Prof. Eliseu Pereira (eliseugp@yahoo.com.br) 

LIÇÃO 2

Texto devocional:  “Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vossos corações, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” (1 Pedro 3.15).

 

[1]          Revisão

a.      Santificai ao Senhor Deus: Santificar a Deus: honrar o nome de Deus pelo modo de viver (ver Mt 6.9 – “Santificado seja o teu nome”;).

b.      Sempre preparados: estudar a Palavra de Deus; conversar; meditar: discernimento, compreensão da Palavra de Deus (Salmo 1.1); orar;

c.      Para responder: a igreja é coluna e baluarte da verdade (1 Tm 3.14-16);

 

[2]          A todo aquele que vos pedir:  quem é “todo aquele”?

a.      Quanto à religião:

                                  i.Religiosos praticantes: católicos, espíritas, budistas, muçulmanos, etc;

                                ii.Religiosos nominais: professa uma religião mas não pratica;

                              iii.Sincretista (religião informal): misto de crenças; religião pessoal;

                               iv.Esotéricos (misticismo interior): nova era, astrologia, seitas orientais, etc;

                                 v.Ateus: negação da existência de Deus; 

                               vi.Agnósticos: ateísmo leve – é impossível saber se Deus existe ou não;

                             vii.Seculares ou sem religião: “desigrejados” ou “sem-Bíblia”;

b.      Quanto ao caráter: não são necessariamente imorais ou pervertidos; há pessoas de boa índole moral e cumpridora dos deveres; o ser humano, mesmo decaído é moral e carrega a imagem de Deus;

c.      Quanto ao foco de interesse: interessadas no agora e não na vida além; estão mais angustiadas com a dúvida do que com pecado e culpa; vivem sem absolutos, tudo é relativo; não há certezas;

d.      Quanto ao dilema: todo homem sem Deus vive em tensão entre o seu estilo de vida e a realidade; sofre angústia, solidão, baixa auto-estima, insegurança;

e.      Quanto à orientação: busca do prazer; ‘complexo de vítima’, relativismo; 

f.        Quanto ao conhecimento de Deus: às vezes não têm convicção intelectual do que crêem ou não crêem; alguns consideram a fé um escapismo;

g.      Quanto ao conhecimento do cristianismo: sabem muito pouco sobre a fé cristã, sobre a Bíblia ou Deus; têm opinião negativa da igreja e dos crentes;

h.      Quanto a liberdade de crer: a fé não é de todos; o deus deste século tem cegado o entendimento de muitos para que não creiam (2 Co 4.4);

 

[3]          Razão da esperança cristã:

a.      A fé é racional: a fé cristã não é ‘pulo no escuro”; é necessário expor as razões da fé antes de convidar uma pessoa a decidir;

b.      Exemplos: observe os verbos utilizados para descrever o modo como Paulo evangelizava: anunciar” (At 13.5; 14.21, 25); “persuadir”  (At 13.43; 18.4; 19.8); “contradizer” os oponentes judeus (At 13.45); “arrazoar” (At 17.2); “expor” e “demonstrar” (At 17.3); “dissertar” (At 17.17; 19.8), “discorrer” (At 18.4; 19.9); “testemunhar” (At 18.5); “pregar” (At 18.19); “falar ousadamente” (At 19.8);

c.      A fé cristã é comunicável: é fundamental falar de modo que as pessoas entendam; exemplos:

                                  i. Jesus falou de peixe com os pescadores da Galiléia (ex Mt 13.47-50) e de ovelhas com os pastores do sul (Jo 10);

                                ii. Paulo falava da lei para judeus (At 13.16-41); da natureza com pagãos (At 14.8-18) e de filosofia aos gregos (At 17.16-31);

d.      A fé cristã é relacional:

                                  i.Relação com Cristo: não há conhecimento de Deus sem Deus; o conhecimento de Deus é de Deus; somente Deus pode lançar luz sobre o conhecimento dele mesmo;  

                                ii.Relação com as pessoas: não há evangelização sem relacionamento com o outro; se não conhecermos a mente das pessoas ao nosso redor como vamos comunicar o evangelho?

e.      A fé cristã é universal: pode ser apresentada de modo fundamentado a qualquer pessoa de qualquer lugar e de qualquer classe; se cremos que Deus é o Criador de todas as coisas e que o homem foi criado à imagem de Deus, então concluímos que o evangelho deve fazer sentido para todos os homens;

 

[4]          Com mansidão e temor:

a.      Amor: é a melhor apresentação e defesa do evangelho;

b.      Primeiro mandamento: amar a Deus acima de todas as coisas;

c.      Novo mandamento: Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros;

d.      Amor ao próximo: tratar a todos com amor; toda pessoa tem um ponto de tensão que precisa do toque de Deus; se a essência do Deus Criador é amor, então todo homem, criado à imagem de Deus, é sensível ao amor;

e.      Mansidão: o cristão deve abordar a pessoa com humildade e amor e não com atitude de disputa;

f.        Fé e amor: a fé atua pelo amor (Gl 5.6); o amor romântico sem ortodoxia é ‘salto de fé’; a ortodoxia sem amor real é letra morta.

g.      Luz e calor: o fogo da candeia ilumina (revelação), mas também aquece (amor); assim como não é possível separar o calor da luz do fogo, também não é possível separar a fé cristã do amor; amor e doutrina;

 

[5]          Boa consciência e fé cristã

a.      Consciência: faculdade do espírito humano; a consciência do cristão foi purificada pelo sangue de Jesus (Hb 9.14; 10.22);

b.      Exame de consciência: o cristão deve discernir os sinais da consciência a fim de verificar de a condenação é legítima ou espúria (1 Jo 3.20,21);

c.      Paulo: “Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida... Conservando fé e boa consciência, a qual alguns, rejeitando, fizeram naufrágio na fé” (1 Tm 1.5,19; 3.9).

 

[6]          Naquilo que falam contra vós, fiquem envergonhados:

a.      Falam contra vós: as pessoas não esperam perfeição, mas coerência e realidade; quando os não-cristãos vêem a conduta individual e coletiva dos cristãos eles se sentem atraídos e crerão se encontrarem realidade;

b.      Fiquem envergonhados: os não-cristãos precisam ver que a fé em Deus produz cura substancial, integral que se demonstra na transformação da vida; 

c.      Cura substancial: os não-cristãos precisam ver que a fé apregoada produz realidade.